Idade: 29 anos 

Naturalidade: Osasco (SP), Brasil

Signo: Libra

 

Meu nome é Erica Machado. Nasci em Osasco, grande São Paulo, no dia 24/09/1991, filha de uma família de ascendência Portuguesa. Tenho um irmão mais velho chamado Everton Machado. Quando éramos crianças, eu fazia o Everton brincar comigo, eu sendo estilista e ele observando se as combinações dos looks estavam boas ou não. Para ele era uma tremenda chatice… Nossa mãe, Amelina L. de Oliveira Machado, sempre ficava brava, pois eu bagunçava todo guarda-roupa para fazer as combinações.
Sempre muito vaidosa, porém com poucos recursos financeiros familiares, eu sempre ganhava roupas de terceiros. Aos 6 anos de idade, já tinha o desejo de um dia ter uma linda loja só minha e, assim, poder usar o que eu quisesse e ensinar todas as minhas amigas a se vestirem bem. Aos 12 anos, quando ia para a escola, via minhas colegas sempre bem arrumadas e bonitas, sem que meus pais pudessem me proporcionar o mesmo. Aquilo despertou em mim o desejo de ser empreendedora.
Em 2008 iniciei com a venda de cosméticos nas horas vagas após as aulas e guardava todo o dinheiro que entrava. Às vezes me dava o luxo de comprar alguma coisa que eu gostava. Adorava ler revistas de moda, livros, ver filmes, e isso me fazia sonhar alto.
Aos 13 anos, ouvi de alguém uma frase que poderia ter acabado com tudo, mas fui inteligente de apenas ouvir e não guardar. Dizia: “Sonhos são apenas sonhos, mocinha. Você é muito sonhadora! Cuidado para não se frustrar com a vida, pois ela é dura e não leva desaforo.” Eu ouvi educadamente e não falei nada. Apenas sorri e pensei: “Esse é o seu pensamento, e não o meu.” Sempre determinada a avançar, em 2010 continuei estudando. Então consegui um emprego para trabalhar recarregando cartuchos de impressora. Amei e agarrei a oportunidade. Aquilo era para ser algo fixo, porém foram passando os meses e eu me sentia um passarinho preso na gaiola. Não tinha liberdade e nem tempo para ler o que eu gostava. Eu só estudava na escola pela manhã e trabalhava a tarde inteira para ganhar muito pouco. Mas era o que tinha naquele momento.
Com espírito empreendedor, decidi pedir as contas aos 16 anos e iniciar minha própria empresa no ramo de insumo de cartuchos, localizada no bairro da Lapa (SP). Nos dois primeiros meses foi um desastre total. Não entravam recursos para manter o negócio funcionando. Eu já estava ficando desesperada. Minha mãe, Amelina, do lar; meu pai, Jonas, pedreiro. Eles não tinham fé que ia dar certo aquilo para mim.
Cheguei um dia em casa chorando e eles me disseram: “Filha, desiste. Isso de ser empresária não é para você”. Aquilo foi uma facada para mim. Mas aí eu despertei! No dia seguinte arregacei as mangas e fui com meu melhor sorriso captar clientes e entregar panfletos. Deu certo!
No terceiro mês já estava faturando, pagando todas as contas, ajudando em casa e fazendo o que eu gostava. Após 2 anos montei a segunda loja.
Todos comentavam: “Nossa! Tão jovem. Aos de 18 anos, com todo esse sucesso!” Aquilo me enchia de orgulho. Os anos se passaram até que, em 2012, aos 20 anos, eu me dei conta de que não era aquilo que me alegrava de verdade. Aquilo não era o que eu sempre havia sonhado desde pequena. Eu sempre quis ter lojas de roupas femininas, ter uma marca, transformar as pessoas, ajudá-las a se conhecerem melhor e ter autoestima, e tudo aquilo foi caindo por terra. Então, eu desabei.
Pensei: “Não estou vivendo meu propósito. Eu quero fazer o meu trabalho por amor, e não trabalhar pelo dinheiro.” Entrei em uma tremenda depressão por ficar me culpando por pensar que a menina sonhadora não tinha realizado o seu próprio sonho e que, talvez, sonhos fossem apenas sonhos mesmo!
Fiquei mal por quase um ano entre 2012 e 2013. Aos 21 anos, eu já tinha desanimado e não acreditava mais que poderia mudar todo aquele cenário em que eu me via. Desisti da loja de insumos de cartuchos e estava dentro de casa sem produzir nada.
Até que um dia acordei e pensei: “Se eu não fizer algo, ninguém vai poder fazer nada por mim.” Foi então que tive um despertar e voltei a ler sobre moda, entender melhor o assunto e pensei em iniciar no negócio vendendo roupas femininas no comércio. O nome que dão a esse trabalho é SACOLEIRA.
Sim, eu fui sacoleira por 1 ano. Ia de moto em salões de beleza, lojas, clínicas odontológicas, academias. Apesar de tudo, eu me senti viva novamente. Eu chegava aos locais e falava de tendências, de como deveriam usar as roupas, em qual ocasião; indicava composições de looks… Dessa forma, percebia que despertava nas minhas clientes a mulher poderosa que havia dentro delas. Isso contribuía para fidelizar as clientes, que voltavam a comprar de mim na próxima vez que eu passava para visitá-las. Mas ainda não estava realizada. Na verdade, eu queria uma loja.
Em 2015, eu consegui montar minha primeira loja de moda feminina no bairro da Lapa, em São Paulo. Não tinha nem noção de que nome eu deveria colocar. Um amigo, que sempre que me via vendendo roupa de moto (e eu sempre chegava muito bem apresentável nos lugares), me dizia: “Você é um LUXO.”
Foi então que me lembrei disso e surgiu o nome: BOUTQUE D LUXO da ERICA MACHADO. Foi um sucesso! Divulguei a loja nas redes sociais e logo vieram as primeiras clientes.
Eu me sentia muito feliz, mas ainda queria mais. De 2016 para 2017 montei a segunda BOUTIQUE D LUXO. Minha prima-irmã, Camila Moises, estava sempre ao meu lado, me apoiando e me impulsionando a fazer cada vez mais. Ao entrar na minha loja, as clientes saíam transformadas, viravam outra pessoa. E nós queríamos que mais pessoas pudessem sentir essa sensação!
Nossa cultura empresarial sempre foi: “Não vendemos roupas, vendemos transformação.” Isso porque pra mim a moda vai além de roupas bonitas. É algo que nos inspira. Moda é arte! É fascinante, e se soubermos usá-la ela nos fortalece.
Quase no final de 2017, um dos donos da primeira loja pediu o ponto. Aquilo para mim foi um choque. Ele queria aumentar o aluguel em mais que o dobro do que eu pagava, pois via que não parava de entrar clientes na minha loja. Não aceitei a proposta e entramos em um impasse. Resolvi entregar o ponto e sair naquele mesmo dia de tanta raiva pela ganância dele. Mas eu sempre falo: “Nada acontece por acaso!”
Fui em busca de um novo ponto. Foi então que tive a oportunidade de reformar e aumentar a outra loja que eu já tinha. Fiz um espaço maior, reformei, mas estava sem recursos para fazer tudo o que eu queria. Mesmo assim eu não desanimei. Dei a cara a tapa e fiz!
No final de 2018 eu já estava querendo modificar tudo. E não deu outra: a BOUTIQUE D LUXO apareceu de cara nova. Aí, sim, a loja ficou linda. Fiz um belo coquetel, chamei algumas influencers, algumas clientes e divulguei nas redes sociais a inauguração.
Aquele dia a equipe da BOUTIQUE D LUXO não parou um só instante. Foi um tremendo sucesso e lá estava eu, toda orgulhosa de ter conseguido mais uma conquista. Nesse dia meus pais estavam lá me prestigiando, e isso foi muito gratificante.
Parei, olhei para tudo aquilo e pensei: “Meus sonhos são reais, a persistência traz a excelência.” A partir de então não parei mais de sonhar e realizar. Reformei a casa dos meus pais, comprei carro do ano, ajudei meu irmão a ter sua própria loja de suplementos de academia, viajei, reformei onde moro, ajudei minha prima a realizar alguns de seus sonhos e sempre dando dicas e influenciando as pessoas a se encantarem por essa arte que se chama MODA.
Tudo isso me deu o privilégio de conhecer e vestir a Coaching de Negócios Debora Santos. Através dela vim a conhecer a Alessandra Astolphi, Editora da Revista Economia S/A, e fui convidada para ser colunista desta revista extraordinária. Este é mais um de meus sonhos realizados aos 28 anos.
E não vou parar por aqui. Ainda tenho muito a realizar, e a partir de agora vocês vão poder acompanhar de perto as minhas matérias.
Gratidão é a palavra que me define. Nunca deixem de sonhar!
Erica Machado